CARREIRA CATEGORIAS DICAS OZI VLOG PRODUÇÃO

16 PERGUNTAS SOBRE O MERCADO DE VÍDEO

14 de fevereiro de 2020

author:

16 PERGUNTAS SOBRE O MERCADO DE VÍDEO

Olá, pessoal! Hoje vamos de perguntas e respostas sobre o mercado de vídeo. Muito videomakers iniciantes procuram entender como funciona o mercado e aqui na OZI nós recebemos diversas perguntas pela inbox no Instagram e que podem ajudar profissionais em diferentes momentos da carreira.

Em outros momentos, já respondemos algumas perguntas nestes posts abaixo, que podem ser esclarecedoras também para o seu trabalho como videomaker:

No OZI Vlog de hoje, Maurício Fonteles responde 16 perguntas sobre produção de vídeo relacionadas ao mercado audiovisual. Como oferecer o seu trabalho como videomaker? Como divulgar e quais as melhores estratégias para conquistar clientes? Dê uma olhada no vídeo abaixo:

1. Dá pra fazer renda extra com criação e produção de vídeo ou só se dedicando integralmente?

Em primeiro lugar, a resposta é simples: dá para fazer uma boa renda extra sim. Especialmente para quem está em uma fase de transição de carreira. Se você já tem um emprego fixo ou uma atividade remunerada, vale a pena começar fazendo essa renda extra até que você consiga virar a chave. Procure fazer com que a produção de vídeos cresça dentro do seu tempo e comece a aumentar a sua renda até que se torne algo integral, se for a sua intenção.

Vale dizer também que existem pessoas que atuam em áreas correlacionadas à produção de vídeo e fazem essa renda extra como freelancers em algumas produções, o que pode funcionar também.

2. Qual a estratégia de marketing para quem não trabalha em um nicho específico?

Aqui, o essencial é mostrar o seu trabalho o máximo que você puder. Parece uma tarefa simples e no fim das contas é realmente simples. Basta entender que o seu nicho é a produção de vídeo. Não existe nada que o impeça de trabalhar em diferentes segmentos, seja para o YouTube, casamentos, cinema ou vídeos institucionais. Sua única estratégia deve ser mostrar que você está inserido neste meio.

Uma dica aqui é mostrar também a satisfação dos clientes com o seu trabalho. Este é um dos pontos que mais ajuda a vender os seus serviços.

3. Quero começar a carreira. Por onde vou oferecer meu trabalho?

Você deverá oferecer seu trabalho por todos os lugares. Por sorte, hoje as redes sociais ajudam muito neste sentido. Antigamente, este tipo de divulgação era feito apenas pelo boca a boca, que hoje em dia ainda existe, porém é amplificado com as nossas comunidades e contatos das redes sociais.

Portanto, coloque seu trabalho nas redes e mostre para o mundo que você faz vídeos. Documente o seu aprendizado, mostre a sua evolução. Muitas vezes seus amigos podem não ser seus clientes diretos, mas podem ser grandes fontes de indicações.

4. Como meu cliente pode divulgar o vídeo para obter mais resultados

Pensar em vídeo hoje em dia, especialmente para conteúdo em redes sociais, é também pensar numa estratégia de publicação e impulsionamento. Se você trabalha com um canal de YouTube, por exemplo, a periodicidade do seu conteúdo é de extrema importância. Ao mesmo tempo, campanhas publicitárias podem gerar resultados mais imeditados, seja para que mais pessoas conheçam o seu conteúdo, seja para vender a sua marca, por exemplo.

Neste caso, procure começar fazendo um trabalho no Facebook e Instagram, que possuem plataformas de anúncios mais simplificadas e prontas para que você consiga entender melhor como tudo isso funciona.

5. Como conseguir trabalhar em TV depois de fazer um curso?

Trabalhar em uma emissora de TV é ter acesso a uma área específica e com grandes possibilidades. Para isso, você vai precisar de um DRT, o registro profissional que é exigido para trabalhar em uma emissora. Procure a Delegacia Regional do Trabalho mais próxima na sua cidade e informe-se dos documentos que você precisa para solicitar esta certificação.

6. O mercado de vídeo paga bem?

Sim, o mercado audiovisual paga bem, especialmente se você for uma pessoa que está sempre buscando evolução. Saiba que, em todos os lugares, existe gente reclamando de oportunidades no mercado.

Por isso, é importante entender que é uma carreira que você está construindo. No começo, os trabalhos não vão resultar em valores muito altos, mas pode acontecer de você começar e em um três meses já estar ganhando 4 mil reais por mês.

O grande lance do meio é a possibilidade de lotar a sua agenda de compromissos profissionais no mês e ganhar até 10 ou 20 mil reais, dependendo dos trabalhos. Aqui existem três pontos que você pode focar para aumentar suas oportunidades:

  1. Seja bem qualificado, ou seja, tenha um trabalho consistente;
  2. Seja bem relacionado tanto com profissionais da área quanto com outros clientes;
  3. Esteja sempre na ativa e elevando o ticket do seu trabalho.

7. Como chegar na empresa e oferecer seu serviço?

Um dos melhores meios é chegar na empresa mesmo como cliente e começar a se relacionar com ela. Abrindo um espaço de diálogo, você poderá dizer sobre o seu trabalho, mostrar algum portfólio que interesse aos responsáveis do local.

É importante, como diz Maurício, estar em constante estado de prospecção. Seja um embaixador do vídeo e mostre aos possíveis clientes e contatos sobre o seu trabalho como videomaker. É começando este diálogo que você poderá conquistar mais e melhores clientes para a sua carteira.

8. Vídeo de qual segmento está mais em falta no mercado?

Atualmente, existem dois segmentos consideravelmente precisando de profissionais para atuação: primeiramente os pequenos negócios. Pessoas que criaram pequenas empresas ou precisam divulgar as suas marcas na internet, mesmo que não saibam exatamente por ojde começar. A maioria acaba produzindo panfletos para distribuição e não entendem como o vídeo pode ajudar a impulsionar suas atividades. É o seu trabalho mostrar a eles como o vídeo pode ajudar. Neste caso sempre haverá trabalho porque sempre existem novas empresas abrindo ou crescendo.

Em segundo lugar, existem as pessoas que estão gerando conteúdo online. Entenda que aqui não estamos falando apenas de YouTubers, mas de pessoas que fazem cursos, especialistas em diversas áreas, entre outros. Estas pessoas estão gerando conteúdo, mas não possuem facilidade na hora de editar, por exemplo.

9. Existe espaço para todo mundo nesse meio?

Existe espaço para pessoas bem qualificadas que estão pensando nesse meio de fato como um trabalho, para prestar serviço e atender clientes. Não tem espaço para profissionais desinteressados, desqualificados e que não fazem um bom trabalho.

Em relação a estes profissionais, é preciso lutar contra, mas não tentando rebaixá-los, simplesmente aumentando o nível dos nossos trabalhos.

10. Como monetizar o meu trabalho

Monetizar o seu trabalho significa tão somente oferecer o seu trabalho. O exemplo dado por Maurício no vídeo acima é crucial nesse sentido. Uma pessoa que faz brigadeiros para vender na rua, não pode deixá-los dentro de casa. Se não sair para oferecer, terá uma geladeira cheia de doces e nenhum lucro com isso.

Portanto, comece a fazer, produzir e criar relacionamentos com possíveis clientes. Dessa forma, você vai começar a oferecer e monetizar seus serviços.

11. Por onde começar para criar portfólio?

O melhor meio para começar a criar um portfólio pensando tecnicamente é: produzir vídeos com o equipamento que você tem disponível. Não saia pra comprar equipamentos. Faça com o que está a sua disposição.

Pensando comercialmente, é importante que você já comece a gerar portfólio lidando com clientes reais, não apenas projetos pessoais. Ainda que seja um trabalho não remunerado ou uma parceria.

Com esses clientes, você já estará um passo além para fechar novos trabalhos futuros. Neste momento você precisa ser estratégico e procurar clientes que possam lhe oferecer potencial de trabalho.

12. Investir numa câmera que tenha mais recursos pedidos pelo mercado ou tentar usufruir mais da mais antiga?

Essa é uma pergunta mais técnica. Procure sempre tirar o máximo dos equipamentos que você tem. investir em equipamentos é um mundo à parte e você nunca deve se deixar levar pelo que o mercado vai colocando como prioridade.

Seu cliente não está preocupado com a sua câmera, mas com o vídeo que você entrega no final do processo. Se você fez um vídeo sensacional e trouxe resultado, o cliente não vai querer saber se foi feito com uma Arri Alexa ou com um smartphone.

13. Dá pra ter um bom rendimento sem ser fazendo vídeo de casamento?

Sem dúvida nenhuma. O vídeo de casamento, assim como vídeos de festas de criança e eventos sociais são algumas das vertentes mais conhecidas e mais adotadas pelos iniciantes. Isso porque são uma boa porta de entrada, afinal esses eventos sempre acontecem, embora também tenham muita concorrência.

Você pode ter muito sucesso sim com vídeos de casamento, mas é importante abrir o leque e descobrir o universo além disso, como os videos para negócios, especialistas, institucionais, entre outros. Procure o que você melhor se adapta e faça sua carreira evoluir.

14. Quando aceitar ou não um trabalho não remunerado com a promessa de fazer contatos?

Consideramos super importante fazer trabalhos não remunerados pelo aprendizado, mas claro que existe um limite. Neste caso, o fator-chave é ter tranquilidade de dizer NÃO caso a proposta não funcione para você.

Evite gastar energia reclamando. Procure otimizar seu tempo pensando em projetos interessantes e que possam gerar portfólio, contatos, ou mesmo a entrada em um nicho que você ainda não conhece bem.

15. Como conquistar clientes que vão permitir que eu cobre o valor justo?

A resposta aqui tem muito a ver com relacionamento. Com quem você está se relacionando? Onde você está se posicionando? Existem muitas propostas indecentes e você pode acabar até mesmo se sentindo lesado.

Aqui voltamos à questão anterior sobre o trabalho não remunerado. Isso é bom para entrar num ciclo de clientes que passem a valorizar mais o seu trabalho. Ao encontrar um cliente bom e com potencial, você precisa estar com ele e oferecer seu melhor trabalho sempre.

16. A estética do cinema tem valor na produção de vídeo institucional?

Esta é uma pergunta ampla, porém com uma resposta simples. Vídeos cinematográficos tem grande valor e o diferencial é muito o cuidado com a produção como um todo.

Entretanto, para vídeos institucionais, nem sempre a estética é o mais importante, mas sim o propósito do vídeo. Entender a ideia, a narrativa e contar uma história que funcione para passar a mensagem que o vídeo precisa passar é muitas vezes mais importante do que a estética.

E aí, gostou? Espero que todas estas dicas ajudem a consolidar melhor o seu trabalho como videomaker. Não se esqueça de acompanhar o canal da OZI no YouTube para receber muitos outros conteúdos interessantes para a sua carreira.

Até mais, pessoal!

Deixe o seu comentário